por / 23 Abr

Você sabe, o mercado de comunicação está sofrendo mudanças em altíssima velocidade e os hábitos de consumo de mídia estão em plena mutação, ganhando novos tons a cada dia. É sensível.

Essa mudança de panorama vem, em partes, da expansão da internet e, antes disso, da velocidade que a vida urbana tem atualmente. Afinal, agora, não dá mais para perder tempo: a mídia tem que ser rápida, estar disponível sob demanda e atender às buscas de seus consumidores.

Todo mundo alardeia que os jornais impressos estão em pleno declínio e dizem até que vão acabar. Não sei. Mas, de qualquer forma, é visível a crise que eles passam em todo o mundo, com redução de redações e mudanças no perfil de publicações, tendo que ampliar a presença online.

Olha como estão as coisas no mercado norte-americano:
- o número de jornalistas trabalhando em jornais impressos no último ano foi o menor em 25 anos, segundo a Associação Americana de Editores de Jornal;
- no ano passado, a publicidade em jornais caiu, em geral, 7,9%, com os anúncios impressos tendo queda de 9,4% e os online tendo aumento de 18,8%, pelos dados da Associação de Jornais da América;
- em 2006, 31% dos americanos tinham a internet como fonte regular de notícias, 11% a mais do que em 2000, enquanto a leitura de jornais caiu de 47% em 2000 para 40% seis anos mais tarde, como afirma um estudo do Pew Research Center.

No Brasil, que já tem internet em 24% de seus domicílios, com ela atingindo 22% da população (ou 24% de domicílios com computadores e menos 15% da população online, segundo outras fontes), ainda não chegamos aos níveis americanos, mas a história não é tão diferente assim.

Grupos de mídia, como Folha, Globo e Estadão, estão vendo seus portais ficarem cada vez mais importantes, com a audiência e o faturamentos crescendo. Em compensação, experimentam a redução na vendagem de suas publicações.

Por aqui, a web recebe apenas 2,7% dos investimentos em publicidade, segundo dados do projeto Inter-Meios, mas as previsões são que, a médio prazo, ultrapasse os investimentos em impressos.

Fim dos jornais? Ainda não. Mudança de perfil? Obviamente.

E por que disso tudo?

Simples: os consumidores de mídia não têm mais tempo para procurar as informações relevantes para si em meio a tantas que não lhe dizem respeito. Você tem?

Para mim, não faz sentido gastar para comprar um jornal inteiro e ler apenas o caderno de esportes – se esse for o objetivo. É muito mais fácil, prático e econômico comprar um jornal especializado ou acessar um portal de notícias, que, além de tudo, estará muito mais atualizado e ainda terá conteúdo multimídia.

Segmentação, interação e personalização são as palavras-chaves dessa era da comunicação em que o poder é cada vez mais do público, que, claro, não é mais passivo.

Jornal Gigante

A “culpa” dessa nova realidade, em partes, vem daqui mesmo, dos blogs. Além de haver nicho, em blogs a escrita é muito mais íntima e pessoal – afinal, o blogueiro realmente gosta do que escreve e atrai leitores que compartilham desse interesse. Junto a isso, o blog é constantemente alterado de acordo com os gostos da audiência, que pode interagir e participar efetivamente, deixando-o cada vez mais eficiente para o público que alcança. O poder do antigo leitor, agora usuário de informações – ou interagente -, aumenta, influenciando toda a produção de mídia.

É do jeito que o público quer ou o blog morre sozinho, isolado. Não é verdade?

Os jornais gratuitos, como o Metro e o Destak, estão em plena expansão. Eles atendem a nichos, escolhendo suas notícias de acordo com o público-alvo, determinado pelo local de distribuição. Assim como na internet, as informações são passadas de forma rápida e há espaços interativos, tentando envolver o leitor na produção do jornal.

Na TV a cabo, onde o conceito de segmentação também existe há muito tempo, aumenta a oferta de conteúdos digitais, como a interatividade. A Globo News tem até um portal em seu canal de TV com notícias em texto atualizadas e os destaques de sua programação. Bem prático.

Outra tendência da TV que já é realidade nos EUA e chega aos poucos no Brasil é a do Digital Recorder, como o TiVo. Com ele, dá para gravar a programação digitalmente, permitindo que ela seja vista sob demanda, na hora e quantas vezes o espectador quiser. Junta-se, assim, interação, segmentação e conteúdo sob demanda em uma só mídia.

Também em crescimento estão as revistas customizadas – como a MIT, da Mitsubishi -, que têm público-alvo bastante específico. Tudo é pensado para o perfil do leitor da publicação, das reportagens ao design e à linguagem, permitindo uma experiência mais efetiva com a informação, sem excesso de conteúdo desinteressante. São feitas sob medida, atendendo a um número menor de leitores, mas que saem muito mais satisfeitos. Alguém viu uma cauda longa por aí?

Os portais de internet cada vez mais possuem essas características de personalização. Redes sociais, comentários em notícias e áreas interativas dão o tom de participação do usuário. Aí o jornalismo se reinventa, com multimídia, conteúdo colaborativo, infográficos e até mesmo com news games, tentando gerar melhores experiências e atingir em cheio o público-alvo, também conhecido, através de análises da navegação. E ainda tem a busca, que permite chegar facilmente no que a gente quer.

Mas nada supera os elementos que dão a cara dos usuários aos portais, como a folksonomia, as palavras-chaves mais buscadas, as notícias mais lidas, mais comentadas, mais votadas… O público, mesmo sem se dar conta, passa a funcionar como uma espécie de editor, indicando – através de seus hábitos – o que é mais relevante em todo o conteúdo. É a beleza do gatewatching! Pra que perder tempo? :D

A única mídia que aparentemente segue sem segmentação e interação é justamente a mais popular delas: a TV aberta, que recebe 59,2% das verbas publicitárias em nosso país. A interação, sem um sistema digital de televisão que exista pra valer, ainda é pequena, mas mostra-se um trunfo para atrair atenção aos programas – como os matinais, que sorteiam prêmios (de “Bom dia e Cia” a “Hoje em Dia”), ou os reality shows. O público gosta de decidir os rumos que irá ao ar…

Como é um veículo para ser visto em família, a generalização de assuntos e conteúdos acaba caindo bem, porque agrada a um número maior de pessoas. Ou seja, continua atendendo ao interesse do público – apesar deste já apresentar mudanças, que exigem ajustes rápidos.

As perspectivas da comunicação, portanto, não estão em nenhuma mídia em especial, no papel, nos pixels ou no tipo de tela.

Sobreviverão todos os que conseguirem compreender seu público e modificar o que for necessário para proporcionar a ele a melhor experiência com o conteúdo oferecido. Para isso, tem que atender suas necessidades e se aproximando dele – ou, no caso, da gente.

O futuro da imprensa é ser vestida por cada um de seus consumidores. Qual é o seu número?

por / 10 Jan

Em uma reportagem, descobri que duas moças que faziam parte da equipe de limpeza do lugar onde acontecia uma etapa de seleção para um reality show da TV paga, haviam sido convidadas, pela produção, a participar do concurso, tentando assim maquiar a falta de reais candidatas. A matéria foi publicada e acabou ganhando destaque na homepage da Globo.com.

“gustavo tudo bem? p nao perder o costume só dei bastante risada quando minha irmã ligou dizendo que eu estava na primeira pagina do site da globo vc é fogo heim!!achei bacana pelo menos nao acrescentaram nada e foi super verdadeira bjssssssss”

Este foi o comentário de uma das meninas da matéria, aqui no blog. No meu Orkut, também tinha scrap dela, além do pedido para ser minha amiga. Ainda bem que ela gostou da matéria – e, sem nem perceber, confirmou as informações de uma maneira que, eu, como repórter, jamais poderia fazer: ela mesma falou com os leitores (ainda que aqui não fosse o melhor lugar para isso).

Lidar com interação dos leitores daqui blog nunca foi um problema, muito pelo contrário. Blogs são tão legais porque são baseados em conversação e, além de tudo, é muito bom para quem produz conteúdo saber o que seus consumidores acham. No jornalismo, embora eu conheça vários profissionais que não se deram conta disso ainda, a participação do leitor/espectador/ouvinte também tem um papel importante, ajudando a manter o jornalista mais próximo da realidade, ampliando o alcance de sua visão.

Interação e colaboração são palavras-chave para a comunicação em tempos de internet, onde, querendo ou não, nada mais somos do que nomes na tela, ao alcance de qualquer um. A tendência é que os comunicadores, as fontes e os consumidores de informação fiquem cada vez mais próximos.

Qualquer um pode procurar meu nome no Google, no Blogblogs, na Technorati ou no Flickr e descobrir por onde andei, com quem me relaciono e o que eu acho das coisas, além de encontrar o meu E-mail ou algum formulário de contato – e isso é importante para mim como blogueiro, afinal, nenhum blog funciona sem que haja relação entre as duas partes. É fácil para o leitor do blog, é fácil para a fonte jornalística. E é aí que a coisa complica.

A fonte é aquela pessoa que passa a informação trabalhada pelo jornalista. É quem dá a entrevista, quem viveu o que será relatado, quem faz parte de verdade daquilo que será transformado em história. Na faculdade, ouvimos muito sobre o relacionamento do jornalista com a fonte que, sempre, deve ser distanciado. Pois é, só que a fonte é viva e se comunica. Além de, eventualmente, utilizar a internet.

Não dá mais para jornalista fingir ser apenas um instrumento da informação. Não somos, e o envolvimento voluntário ou não com o público e, principalmente, com a fonte não nos deixa ser. A questão é descobrir como devemos nos portar sem que haja prejuízo à notícia. Pelo contrário, é o momento certo para lucrar: na web, toda fonte vira usuário e todo usuário vira fonte.

Já que está tudo tão próximo e que as fontes estão mais ativas do que nunca, por que não aproveitar? Essa interação faz com que o jornalista tome mais cuidado com o que publica e, além disso, permite que a informação seja conferida e revidada por seus personagens. É mais ou menos o mesmo raciocínio do sistema de comentários do Google News, só que feito de forma humana – e, por isso menos, mais confiável.

Em sua dissertação de mestrado, a jornalista (e amiga) Ana Brambilla destaca um conceito de Peter Burke, no livro [bp]História Social do Conhecimento[/bp]: a informação é como a água: quanto mais próxima da fonte, mais pura será.

Estamos no momento certo para, utilizando o potencial social da web, produzirmos informações cada vez mais precisas e verdadeiras – o que seria potencializado caso os grandes veículos perdessem o medo e abrissem espaço para os comentários. Todo mundo se comunica: o leitor conversa com o jornalista que conversa com a fonte que, agora, também conversa com o leitor. Novas visões para o leitor, mais credibilidade e utilidade para a mídia.